Usamos cookies para personalizar sua experiência no site. Ao prosseguir, você declara estar ciente dos termos descritos na nossa Política de Privacidade.

Não se pode deixar nenhum rejunte para trás!

Não se pode deixar nenhum rejunte para trás!

| Renata Pocztaruk

Hoje a minha sócia Renata Lemos, que comanda o escritório da ArqExpress no Rio de Janeiro, vai contar a dor de cabeça que a tampinha de acrílico de uma luminária deu para a equipe quando já estavam finalizando a obra de consultório médico: 

Já estávamos finalizando um projeto e decidimos tirar a tampa de uma luminária, que ficava acima do balcão para colocar uma lâmpada - durante a obra é comum a gente apoiar no balcão (que é mais alto) para fazer isso.



Quando o eletricista foi descer da escada, acabou esbarrando naquela tampinha de acrílico, que caiu em um micro espaço entre o mármore e o balcão de marcenaria... Olha só:


Querem saber a pior parte? Essa tampa ficou presa lá mais de uma semana! Nós tentamos de tudo para tirar e ninguém sabia mais o que fazer!

O engraçado é que o espaço era realmente muito pequeno, praticamente invisível a olho nu. Para nós a lição que ficou é lembrar que não se pode deixar nenhum rejunte para trás (nenhum mesmo!).

O resultado dessa história foi: ainda bem que foi somente a tampa de acrílico da luminária que se perdeu ali! (claro que mandei fazer outra para repor).

Como lá é um consultório médico, imagina se, ao invés da tampa, tivesse caído o cheque de alguma cliente?

Teríamos de quebrar o balcão na mesma hora! (Renata Lemos)

 

Agora me diz, quem nunca teve problema, dor de cabeça ou falta de sono enquanto faz uma obra?

Eu mesma não conheço ninguém que já tenha feito uma obra sem passar por um probleminha! Se você quer diminuir as chances de passar por uma intercorrência durante a execução de um projeto eu te convido a fazer o curso "Etapas de uma Obra", onde eu conto os meus segredos, falo sobre como eu organizo uma obra e como deve ser o pensamento de um profissional na hora de pensar o que fazer e o que não fazer!

Beijos e até depois,

Rê.

Deixe um comentário