Usamos cookies para personalizar sua experiência no site. Ao prosseguir, você declara estar ciente dos termos descritos na nossa Política de Privacidade.

Qual placa de Drywall utilizar em cada ambiente e por quê?

Qual placa de Drywall utilizar em cada ambiente e por quê?

| Renata Pocztaruk

Cada vez mais as paredes de alvenaria estão sendo deixadas para trás e sendo substituídas por essas divisórias de ambiente interno.

Diferente do processo construtivo convencional, onde a parede é feita com tijolos, blocos de concreto e argamassa, o drywall gera menos entulho e, por isso, é considerado um tipo de obra mais limpa e sustentável, com instalação mais rápida e com melhor custo em relação a alvenaria.

A facilidade de manutenção é outro ponto positivo deste material, para fazer reparos tanto elétricos quanto hidráulicos basta fazer um corte e depois remendar.

Além disso o sistema permite o ganho de espaço interno por conta de a espessura de parede ser menor e são muito fáceis de remover, facilitando a mudança de layouts em apartamentos e espaços corporativos.

Mas para cada tipo de espaço existe a placa correta. Você sabe dizer qual deve ser utilizada em cada ambiente e por quê? Vamos ver os tipos de chapa drywall que existem:

Drywall Standard (ST) branca: são as placas de gesso indicadas para divisão de ambientes e uso geral (paredes, tetos e revestimento de áreas secas).

Drywall Resistente à Umidade (RU) verde: são indicadas para os ambientes molhados, como cozinha, banheiro, lavabo e lavanderia. O gesso dela contém um componente hidrofugante (que fecha os poros da superfície), não deixando absorver tanta água. Não pode ser utilizada em áreas externas (ela é resistente e não à prova d'água).

Drywall Resistentes ao Fogo (RF) rosa: o gesso dessa chapa é mais denso e ela tem fibra de vidro em sua fórmula, fazendo com que ela tenha resistência ao calor. É indicada para saídas de emergência e para as áreas com risco de incêndio.

Vantagens

  • Rapidez na instalação;
  • É de fácil execução, por utilizar um sistema pré-fabricado;
  • Bom isolamento acústico quando preenchido com lã mineral;
  • O ganho de espaço interno devido a menor espessura da parede;
  • A chapa é mais leve que os materiais convencionais usados na alvenaria, isso gera menos peso nas lajes dos edifícios;
  • Pode receber acabamentos variados, como pintura, aplicação de papel de parede e cerâmica;
  • Por sua versatilidade, pode ser usado para reparar algum erro de execução na obra;
  • Fácil instalação de rede elétrica, hidráulica e de telefonia;
  • Seu uso demanda menos mão de obra;
  • Menor desperdício de materiais;
  • Menor geração de resíduos.

Desvantagens

  • Seu uso exige mão de obra especializada e isso pode encarecer o custo da obra;
  • As paredes têm ruptura frágil, não se deve jogar nada ou bater nelas com mais força;
  • Ele não é aconselhado para ambientes externos;
  • Os espaços entre as placas devem verificados regularmente para evitar a reprodução de fungos e insetos;
  • Para pendurar quadros, nichos ou painéis é preciso o uso de buchas e parafusos específicos para esse tipo de parede.

Quer saber como deve ser feita a instalação das placas, como elas devem estar dispostas, o espaçamento entre os montantes, reforços para fixação e a vedação das juntas? No Guia de Detalhamento para Arquitetos 003 você vai encontrar todas essas respostas, além de ilustrações e exemplos de detalhamentos construtivos.

Beijos e até depois,
Rê.

Deixe um comentário